quarta-feira, 5 de abril de 2017

A FELICIDADE

a felicidade
Não existe uma argumentação plausível para definir ou fundamentar o termo “Felicidade”, mas, um esforço por parte dos saberes filosóficos em criar tal fundamentação, onde estudos apontam para uma satisfação plena em todos os sentidos e sem o envolvimento de qualquer tipo de sofrimento. A felicidade está ligada aos sentidos e aos sentimentos e ao estilo de vida como por exemplo: a situação financeira, a saúde, o status social, a política, a preferência religiosa etc. Nesse sentido entende-se uma dependência total dos esforços físicos e intelectuais como meios para se alcançar a felicidade, que está fixada numa esfera dos sonhos e desejos de forma individual. Sigmund Freud entende que essa busca é uma utopia e que para se alcançar não depende do mundo real, uma vez que o fracasso estará sempre presente e assim a “Felicidade” está no plano dos desejos e sonhos como uma meta a ser alcançada, sendo um estado passageiro como um sentimento de satisfação momentânea. A felicidade está restrita ás sensações, portanto não é eterna, é um estado de êxtase, um momento daqueles que alcançamos nossas metas ou atingimos certos objetivos.

A felicidade como um dos fragmentos fisiológicos relacionados ao indivíduo, é complexa, pois depende de outros fatores, tanto físico como espiritual para ser alcançada, não podendo ser medida ou redimensionada, além de ser relacionada a sorte ou a um tipo de fatalidade. Em certo período na Grécia o filósofo Demócrito de Abdera, (460 a.C a 370 a.C), entendeu que a felicidade era simplesmente uma medida para se “alcançar o prazer e a proporção da vida”, e assim o homem deveria abandonar a ilusão e seus desejos de serenidade.

http://ludeblog.blogspot.com.brSócrates (469 a.C/399 a.C), introduziu novas diretrizes a esta compreensão, comparando com a satisfação dos desejos e das necessidades fisiológicas e só podendo ser atingida para o bem da alma humana por meio da virtudes e justiça, pois para o mesmo sofrer a injustiça era melhor do que praticá-la e assim foi condenado à morte dando sentido a felicidade de uma injustiça praticada pelos seus adversários. Platão (427 a.C/347 a.C), comparou a felicidade como um meio funcional de modo que só se alcança a felicidade por meio da virtude e da “justiça” aplicada.

Aristóteles (384 a.C./322 a.C), fez uma observação ao idealismo de Platão, declarando que a felicidade necessita de elementos básicos, como, boa saúde, liberdade em vez de escravidão, e ótimas condições financeiras. Aristóteles conclui que a maior das virtudes do ser humano é a sua racionalidade e o exercício intelectual, que segundo ele é uma identificação filosófica o qual aproxima o ser humano de Deus, assim o mesmo considera a virtude como a única forma de alcançar a felicidade e que precisa ser exercitada constantemente e assim a igreja cristã copiou tais princípios em seus ritos doutrinários.

Epícuro acreditava que a felicidade não se limitava ao mundo espiritual, mas também ás dimensões terrenas por meio do equilíbrio e da temperança onde suas abordagens refletiram uma de suas grandes máximas: “Nada é suficiente para quem o suficiente é pouco”, e que não devemos trabalhar para adquirir bens materiais, mas por amor pelo que fazemos.

Nietzsche afirmou que para se viver pacificamente e sem nenhuma preocupação era um desejo de pessoas medíocres e que não valorizavam a vida, pois estar bem conforme as circunstâncias ou ter uma boa sorte não é ter felicidade. Nietzsche, considera a felicidade uma simples força vital e uma luta incansável contra os obstáculos que são responsáveis em restringir a liberdade e a autoafirmação.
A escola Helênica desenvolveu teorias divergentes, concluindo que para ser feliz, o homem não pode ser autossuficiente, mas deve desenvolver uma atitude de indiferença e ser imparcial em relação a tudo e a todos, para eles a felicidade era uma “Apatia”. Com o fim do helenismo a felicidade desapareceu dos guetos filosóficos, que para o cristianismo a felicidade era o resultado da salvação da alma.

Novos argumentos surgiram na idade moderna por John Locke (1632/1704), e Leibniz (1646/1716), os quais afirmaram que a felicidade é um “prazer duradouro”, tempos depois o Iluminista Immanuel Kant (1724/1804) em sua obra “Crítica da razão prática”, definiu a felicidade como “a condição do ser racional no mundo, para quem, ao longo da vida tudo acontece de acordo com o seu desejo e vontade”. Conforme Kant, a felicidade está no âmbito do prazer e do desejo do ser humano e não tem nada a ver com a Ética, tal argumentação fez com que esse tema sobre a felicidade desaparecesse das escolas filosóficas. Para Bertrand Russel (1872/1970), em sua obra literária “A conquista da felicidade” era uma multiplicidade de interesses relacionais e a eliminação do egocentrismo.

A felicidade também é considerada como um estado permanente e plena em sua satisfação tanto física como intelectual, onde o sofrimento e a inquietude são transformados em emoções e sentimentos cheios de contentamento e intenso jubilo, resultando daí um bem estar espiritual e paz interior que de acordo com suas abordagens levaria o homem a um estilo de felicidade plena.

Bibliografia

Fonte Pesquisada: Abbagnano, Nicola - "Dicionário de Filosofia", Martis Fontes, São Paulo, 2000.
Fonte Pesquisada: Berti, Enrico - "No princípio era a maravilha", Loyola, São Paulo, 2010.
Fonte Pesquisada: Marías, Julián - "A felicidade humana", Duas Cidades, São Paulo, 1989
Fonte Pesquisada: www.google.com.br

0 comentários: