domingo, 16 de setembro de 2018

O NINHO DE SATANÁS: A CORRUPÇÃO.


Política, Pastores Políticos, Daniel e a Politica, José e a Política.

Quanto à tua terribilidade, enganou-te a arrogância do teu coração, tu que habitas nas cavernas das rochas, que ocupas as alturas dos outeiros; ainda que eleves o teu ninho como a águia, de lá te derrubarei, diz o Senhor. Jeremias 49:16. Estamos vivendo nos últimos dias os quais  serão decisivos para  o estabelecimento do reino de Deus, isto é, sua conclusão e término do plano de salvação implantado por Jesus, nesse período a turbulência política tem envolvido a igreja de forma contundente a qual está sendo enganada pelas falsas promessas de justiça e paz e tais promessas tem corrompido o sagrado e assim contaminado a verdadeira identidade do cristianismo, suas doutrinas e princípios. “Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão”. 1Tessalonicenses 5:3.  Jesus deixou bem claro que a igreja não poderia se envolver com as artimanhas dos Sacerdotes, Saduceus e dos Fariseus, pois tais seitas dominavam o poder político. E assim usaram de tais poderes para influenciar o povo com seus falsos conceitos e falsas doutrinas para reverter o movimento do cristianismo, colocando o povo contra Jesus o qual identificou-se com o povo e suas carências e necessidades de justiça e paz social. Ao proclamar Jesus o novo Rei, os Sacerdotes, Fariseus e Saduceus ficaram enfurecidos e assim conseguiram reverter o movimento do cristianismo colocando o povo contra Jesus que agora passou a clamar por sua crucificação e pela soltura de um assassino o "Barrabás".
Uma verdadeira crise se estabeleceu no cristianismo primitivo e a igreja passou a ser perseguida pelo poder politico, pois entendiam que tal movimento tinha como propósito estabelecer a Jesus Nazareno, o novo Rei. Sendo assim, o mesmo deveria ser eliminado colocando fim ao clamor do povo. Os judeus que viviam em regime de escravidão por tais governantes, viram em Jesus essa oportunidade e nova opção de uma vida livre da opressão e dos desmandos de tais governantes corruptos e sanguinários. “Sabendo, pois, Jesus que haviam de vir arrebatá-lo, para o fazerem rei, tornou a retirar-se, ele só, para o monte”, João 6:15. Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui. João 18:36. Portanto existe uma enorme contradição quando tais Pastores entram na política dizendo que a igreja precisa de Senadores, Deputados para defenderem a igreja: Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia. João 15:19

farisaísmo, Saduceus, hipocrisia religiosa, fariseus, seita, a politicaA visão popular era uma só, pois Jesus representava a tão sonhada justiça e paz, além da liberdade e melhorias em suas vidas e nessa oportunidade, resolveram proclamar a Jesus como o novo Rei. Movimento esse que foi logo interceptado pela classe que dominava a politica na era cristã e que perdura em nosso meio até os dias de hoje. Mas como compreender ou fazer referencias a tais poderes políticos e compará-los com a política e poderes atuais.

Reis: Era o líder,  pessoa que ocupava uma falsa liderança outorgada simbolicamente pelos poderes dominantes, Sacerdotes, Fariseus e Saduceus.  Sacerdotes: eram o poder dominante e mais próximo do Rei: Eram os religiosos que manipulavam as leis para influenciar o povo, essas leis eram baseadas no A. Testamento “Alcorão”, como por exemplo, o dia de Sábado. Fariseus: eram uma seita de fanáticos e opositores do cristianismo, a hipocrisia era um fator determinante em suas crenças, são considerados os fundadores do Judaísmo rabínico. Eram uma seita que em conjunto com os Saduceus, eram responsáveis pela manipulação das leis, das Heresias, tradições e dos costumes.  Saduceus: Eram uma seita de religiosos que segundo Flávio Josefo, os mesmos pertenciam a um alto escalão social e de grande poder econômico, e tinham variadas funções políticas, sociais, e religiosas, os quais eram inimigos dos Fariseus,  que manipulavam a religião com falsas crenças e falsos ensinamentos e conceitos. Tanto os Saduceus como os Fariseus, eram os responsáveis em manipular o povo com falsas ideias e conceitos. Eram seitas divergentes e contraditórias. “Então os saduceus, que dizem que não há ressurreição, aproximaram-se dele, e perguntaram-lhe, dizendo: Marcos 12:18. E Jesus disse-lhes: Adverti, e acautelai-vos do fermento dos fariseus e saduceus. Mateus 16:6. E, chegando-se os fariseus e os saduceus, para o tentarem, pediram-lhe que lhes mostrasse algum sinal do céu. Mateus 16:1

O que vemos aqui não é mera coincidência, ou melhor os três poderes políticos que governam operando no mundo tanto dentro como fora da igreja. Jesus ao se ver pressionado pelo povo os quais queria fazer dele um rei, o mesmo correu e se afastou do povo, provando assim que a “Voz do Povo” não é a Voz de Deus. Esses poderes são os responsáveis pelas decisões dos reis, em outras palavras, eles ditam as regras e o rei assina em baixo.  Em todo processo cristão, não vemos em momento algum os discípulos fazerem referência a ocupação de cargos políticos e nem desejos de alcançarem tais objetivos, pois Jesus deixou bem claro que “ Meu Reino não é deste mundo”, inclusive acrescenta que àqueles que o aceitam e o confessa como Senhor e Salvador, também não é deste mundo, dando a entender que o cristão não pode se envolver com problemas políticos deste mundo e sim com o Reino  de Deus. O Apostolo Paulo faz uma referência a política e uma explicação aos cristãos que estavam sendo corrompidos. “Todas as coisas são puras para os puros, mas nada é puro para os contaminados e infiéis; antes o seu entendimento e consciência estão contaminados”. Tito 1:15.

Daniel e José.

daniel e a politica,josé e a politica,imparcialidade, politica,A ideia do cristão ser político, mas tem que ser imparcial e não se envolver na corrupção, isto é conversa e atitude diabólica, pois ao citar José do Egito, e Daniel na Babilônia, os mesmos não interpretam a espiritualidade dos textos bíblicos e a interferência de Deus na vida e na história. Pois Deus usa a pessoa na situação e na posição que ele se encontra, desde que esteja em obediência.  Os Judeus estavam em regime de escravidão e castigados por Deus por desobediência,  mas esse castigo tinha um período a ser cumprido, ou 499 anos judaicos, então Daniel ao analisar o A.T, viu em suas contas que esse período já tinha passado, e assim entrou com um propósito com Deus e nesse propósito sua oração foi ouvida e Deus providenciou a libertação do povo. Vê-se claramente que não tinha profeta e ninguém de fé e coragem para clamar a Deus, pois o povo não queria ser liberto e sim viver na escravidão, como nos dias atuais. Daniel era escravo, assim como José e não políticos por opção, eles não se candidataram ao governo ou a algum cargo político, e sim em obediência a Deus, e isso foi a causa de Deus interferir na história do homem e não o homem na história de Deus. “E Daniel propôs no seu coração não se contaminar com a porção das iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto pediu ao chefe dos eunucos que lhe permitisse não se contaminar”. Daniel 1:8. “Lembra-te deles, Deus meu, pois contaminaram o sacerdócio, como também a aliança do sacerdócio e dos levitas”. Neemias 13:29. “Porque tanto o profeta como o sacerdote, estão contaminados; até na minha casa achei a sua maldade, diz o Senhor. Jeremias 23:11.  Na verdade, a terra está contaminada por causa dos seus moradores; porquanto têm transgredido as leis, mudado os estatutos, e quebrado a aliança eterna. Isaías 24:5.Usando os mesmos princípios de Jesus, o apostolo ordena que Timóteo fuja das tentações das riquezas mundanas, “Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão”. 1 Timóteo 6:11.

Argumentos teológicos modernos relacionam os acontecimentos do antigo com o novo testamento afim de manipular as mentes e assim alcançar seus corruptos propósitos, como por exemplo: José do A. T. foi político e governador. Outra argumentação Teológica de que Jose e Daniel foram escolhidos por Deus para ocuparem cargos políticos é falso,  sendo que não foi as atitudes e sim as circunstâncias que levaram os mesmos a ocupar tais cargos e privilégios, pois Deus é quem muda a situação de nossas vidas dentro do cativeiro e isso não depende do homem sim do agir de Deus.

Desmitificando as falsas interpretações:

o sal,o sal da terra,a luz do mundo
Muitos alegam que o cristão é a luz do mundo e o sal da terra e que sua luz deve resplandecer diante dos homens. O “Ser Sal”. Refere-se a importância do Cristão no Mundo, pois assim como o "Sal" é um mineral de equilíbrio na terra, o cristão também  é o ponto de equilíbrio na terra para o reino de Deus, ou a causa da terra ou dos homens não serem destruídos. "As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim". Lamentações 3:22. E Ser “Luz” refere-se à posição do cristão no mundo, “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? 2 Coríntios 6:14. Então respondo, por que Jesus não aceitou ser o Rei, pois sendo Deus, tudo certamente mudaria de rumo, “então Jesus respondeu ao povo; Meu Reino não é deste mundo” e disse também em João; "Não são do mundo, como eu do mundo não sou". João 17:16
O que muitos cristão não entendem é que estamos entre dois reinado, um de Cristo que vai ser arrebatado e o outro de satanás que já está condenado ao fogo do inferno e a destruição, inclusive a terra e todo universo que envolve o nosso sistema solar; "Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão". 2 Pedro 3:10.

A Permissão Divina.
A permissão de Deus e sua vontade não pode ser questionada, pois as nossas atitudes também define nossos rumos, mas Deus vê o que o homem não pode ver, como o apostolo Paulo que era um agente político e matador de cristãos, o mesmo tinha um potencial que só Deus viu e assim mudou os rumos da vida do mesmo. O que devemos entender é que a escolha de ser um político em um ninho de satanás é nossa e não de Deus, assim como a escolha pelo pecado. A Escolha ou o livre arbítrio é do homem, “Eis que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição. Deuteronômio 11:26, isto é uma escolha nossa e não de Deus. Isto é, ao escolher o lado errado e da maldição o homem causará terríveis problemas ao povo, mas Deus como em todos os tempos sempre irá interferir nessas decisões e mudar a história tanto do homem como do povo. 

Moisés e Josué são grandes exemplos de liderança.
Moises intercede junto a Deus pelo povo, Deus perdoa, mas faz uma advertência para que o povo não se misture com as nações idolatras e nem façam alianças e não comam de seus manjares nem desfrute de seus prazeres ou riquezas. “Guarda o que eu te ordeno hoje; eis que eu lançarei fora diante de ti os amorreus, e os cananeus, e os heteus, e os perizeus, e os heveus e os jebuseus.  Êxodo 34: 11.

A Liderança.
O grande erro está nas escolhas, pois no decorrer da história bíblica, a liderança e os propósitos divinos estão relacionados a seu reino e não ao reino mundano. Esta separação é fato consumado e não pode ser confundido ou questionado afim de favorecer a ou b em seus projetos de ambições por poderes políticos. Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência, Deuteronômio 30:19. O Apostolo Paulo dá uma resposta para aqueles Pregadores, Pastores que na verdade não querem ser perseguidos e querem prestígios na vida pública. “E a todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições”.  2 Timóteo 3:12.

Divisão Partidária na Igreja de Corinto

política na igreja de corinto, partidarismo cristão, a igreja e a políticaCarta que descreve uma metodologia muito praticada em nossos dias. "Para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus".1 Coríntios 2:5. Paulo se identifica como "chamado por Deus" e não por homem algum ou pelo clamor das multidões. Paulo em suas palavras já antecipa seu relatório referente aos acontecimentos tanto no presente como no futuro e ao mesmo tempo identifica uma  agitação naquela comunidade de irmãos ou crentes "Santificados" dos demais causadores de divisões, a clareza dos propósitos é declarada pelo apostolo no, " ver. 5, "Porque em tudo foste enriquecidos nele" isto é, em Cristo; Então se vê ao longo da carta que havia divergência, v.10, havia contendas ver.11, partidarismo ver. 12, havia exaltação ver. 13, havia loucura ver. 18, havia idolatria, uns por milagres e outros por sabedoria, havia escândalos, havia os idealistas pelo seu próprio "Eu", havia carnalidade, havia ostentação de poder e de classe social, pobres e ricos. O “Corpo de Cristo”, é um só, "por acaso está cristo dividido"

O partidarismo adentrou-se na igreja de corinto por meio de pessoas movidas por interesse obscuros e interesseiros, os quais infiltraram-se na igreja afim de provocar divisões com seus ideais divergentes e desproporcional a unidade do Corpo de Cristo. Pois o "Ser" de Paulo, "Ser" de Pedro, "Ser" de Apollo, "Ser" de Cristo, descreve uma severa oposição dentro de uma mesma unidade da igreja, o “Corpo de Cristo”, não se tratando de partidos teológicos ou uma teologia diferente, e sim de ambições carnais, "Eu sou de" termo este inconsistente e não há respaldo bíblico referente ao ser humano e suas divisões partidárias dentro da igreja. a expressão usada por Paulo "irmãos" não quer dizer que os mesmos eram salvos, mas, sim que estavam na condição de crentes, os quais o Apostolo entendia como pessoas que pertenciam ao mesmo movimento do cristianismo. Pode-se ver também que essa comunidade cristã estava sendo iludida por falsas promessas que emergiam de dentro da própria comunidade cristã o que foi veemente reprovada pelo Apostolo.

Do Grego "Politéia" termo que demonstra uma coletividade, (Cidade-Estado), onde o sujeito pode expressar-se diferentemente sem conflitos ou caos social, outros pensadores apontam para "Aristóteles" em suas obras literárias que e um relacionamento entre o poder e as autoridades, e que a mesma surgiu afim de estabilizar e evitar o caos social, poder esse exercido pelo estado o qual tem o direito de coerção ou o uso da força física para garantir a ordem e a paz social. Já o escritor Maquiavel, afirma que a politica é movida pela conquista e pela manutenção do poder e que segundo ele, "Os fins justificam os meios" isto é, com finalidades de garantir a soberania e o bem estar-social e o estado pode usar a força física de forma legítima.


Pr. Adilau 
Igreja Evangélica Assembléia Universal

REFERÊNCIAS.

fontes Pesquisadas:  https://www.bibliaonline.com.br/
Fontes Pesquisadas :http://bibliaportugues.com/
Fontes Pesquisadas: https://pt.wikipedia.org/wiki/Fariseus
Fontes Pesquisadas: https://pt.wikipedia.org/wiki/Saduceus
Fontes Pesquisadas: https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/politica/

Nenhum comentário: