segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

QUEM É REALMENTE O PASTOR?




Para compreendermos melhor  o quem é o Pastor e a função que ele exercia dentro do contexto da Igreja primitiva e nos tempos modernos, necessário se faz estudá-lo à luz de duas palavras que no conceito popular, parece sugerir ofício exercido pelo Pastor: são eles: Presbítero e Bispo.

Presbítero. A palavra Presbítero ou Ancião deriva-se da palavra grega “ presbútero”, e significa apenas um homem idoso. É que entre os gregos “ como também entre os hebreus”, os homens de idade avançada sempre mereciam maior honra e prestígio e respeito, por isso mesmo sendo-lhe imputado maior sabedoria. Por isso só a eles era dado exercer função de grande responsabilidade como de Juízes e conselheiros do povo.No Novo Testamento a palavra “Presbítero” é encontrada pela primeira vez em Atos 11.30. O termo designava um oficial da Igreja já que ele presidia as sua assembléias.
Em passagens como Mateus 15.2, Marcos 7.3 e Hebreus 11.2, o termo se refere aos anciãos de Israel. No sentido técnico a palavra se refere apenas à posição oficial desse obreiro, sem qualquer referencia à idade. Segundo é mostrado em Atos 15.2,22 e filipenses 1.1, eles eram distintos dos apóstolos e dos diáconos.
  1. Bispos. No grego a palavra bispo é “episkopos”, e significa curador, superintendente, administrador. Conforme é usado na Bíblia, o termo designa um guardador de almas, ou aquele que cuida do bem-estar espiritual do seu rebanho. Não encontramos no Novo Testamento o uso do vocábulo bispo para designar um oficial eclesiástico que tenha autoridade sobre os outros ministros do evangelho. É evidente que trabalhadores zelosos, como Pedro, Paulo, Timóteo e Tito, exerceram grande influência sobre a comunidade cristã e seus obreiros no século I; não por força do título eclesiástico que tinham, mas pelo desvelo e prontidão que mostram no cumprimento do ministério. O Próprio apóstolo Paulo recomendou que assim fossem tratados: (I Timóteo 5:17) - Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina.
PASTOR, uma definição.

No Novo Testamento a palavra Pastor, como designação dum ofício ministerial, é encontrada uma só vez, em Efésios 4.11, e vem da palavra grega “POIMEN”, que significa: apascentador, guarda, aquele que conduz um rebanho ao pasto, sustentador.
Várias referencias no Novo Testamento mostra claramente que os presbíteros não se distinguem dos bispos ou pastores, como oficiais ou ministros das igrejas. Dependendo da versão das Escrituras qye estivermos usando, as palavras “Presbíteros”,”Bispos”, e “Pastor”, eram usadas em referência à mesma pessoa. O termo Presbítero ( ou Ancião) se refere especificamente à dignidade e prestígio do Pastor e Ministro, enquanto que bispo chama a atenção para o tipo de função que esse mesmo exerce. Por exemplo, em Atos 20, os oficiais da Igreja em Éfeso são chamados tanto de “Presbítero” (v 17), como de “Bispos” (v 28). O mesmo acontece em I Pe 5.1,2, onde os “Presbíteros” tem a função de Pastorear o rebanho de Deus. Portanto a palavra Pastor é a forma mais comum de designação dos Bispos e Presbíteros. Nenhuma das três palavras têm a ver com o desenvolvimento hierárquico do assunto ocorrido na Igreja na Igreja a partir do Século II.

Face a excelência da função do pastor e do que ele representa dentro do reino de Deus, devemos considerar o seguinte:
  1. Jesus é o “Grande Pastor” (Hb 13.20), o “Supremo Pastor” (Pe 5.4). Só Ele resume em si todo o ministério pastoral ( Jo 10.11). Mas antes da sua vinda, ( no Antigo Testamento), bem como após Sua ascensão, Ele o delegou a seus ministros.
  2. Ministro alguns é pastor por si mesmo ou por vontade do rebanho. Ele é pela graça, sob vocação e ordem do Senhor e supremo Pastor do rebanho ( Ef 4.11).
  3. Ministro pastoral exige não apenas coragem, mas também senso de responsabilidade, de amor e paciência, de alegria e de abnegação, de ordem, de humildade. Se este ministério for for mal exercido, será a ruína da Igreja, (Jo 10.12; Mt 18.12; Lc 15.6; Is 40.10; Ez 34.4; Pv 27.23; Pe 5.2; Jo 10.3; I Pe 5.3; Is 13.14; jr 50.6.
  4. O pastor é responsável pela guarda e condução do rebanho às pastagens, devendo estar em prontidão para defendê-los contra os inimigos. Embora seja proibido de se enriquecer às custas do seu rebanho ( I Pe 5.2), ele tem o direito de tirar do rebanho a sua subsistência ( I Co 9.7).

Nenhum comentário: