quinta-feira, 4 de novembro de 2010

JEREMIAS O PROFETA DA CORAGEM

O Profeta
Poderíamos chamar Jeremias o Profeta da coragem. Desde a sua chamada ministerial até sua morte como mártir, nenhum profeta do velho testamento mostrou tanta coragem diante da opressão e sofrimento. Esse profeta sofreu muito fisicamente chegando ao ponto de quase perder sua própria vida. O povo tentou matá-lo, os sacerdotes o espancaram e os reis o aprisionaram. Por fim experimentou a morte. Socialmente Jeremias padeceu como um cidadão comum e desprestigiado. Foi considerado traidor por pregar o julgamento divino do seu povo e a sua submissão à babilônia.

Sua família tinha vergonha dele e até tentou matá-lo. Jeremias sofreu uma profunda depressão e incertezas chegando ao ponto de até protestar contra Deus. (Jeremias 20:9) - Então disse eu: Não me lembrarei dele, e não falarei mais no seu nome; mas isso foi no meu coração como fogo ardente, encerrado nos meus ossos; e estou fatigado de sofrer, e não posso mais. Acima de tudo suportou com tristeza sabendo qual seria o destino de sua nação, isto é duas décadas antes de ocorrer o exílio dos Judeus, suas profecias eram saturadas de lágrimas, e na queda de Jerusalém, ele confessou sua dor insuportável.
Devido à hipocrisia e impiedade que prevaleciam naquela época, Jeremias foi instruído por Deus a pregar uma mensagem de repreensão e de julgamento iminente sobre a nação. Naturalmente, essa mensagem era desagradável ao povo, e Jeremias, o mensageiro, tornou-se cada vez mais popular.
A mensagem de Jeremias tinha dois aspectos; um positivo e outro negativo. O aspecto negativo abrange dois terços da sua mensagem e se resume em: “Arrancares, Derribares, Destruíres e Arruinares”, significando repreensão ao pecado e predição da destruição de Jerusalém. O aspecto positivo se resume em: “Edificares e Plantares” significando a restauração nacional do país. Jeremias deixa claro que Deus não é fraco ao deixar o povo ir para o cativeiro, mas que “Ele” estava castigando o povo por causa dos seus pecados. O ministério de Jeremias começou durante o maravilhoso período de avivamento da nação sob o governo de Josias. ( cap 2 a 6). Após a morte do rei, a nação entrou em declínio espiritual, a idolatria retornou e o pecado predominou.
Quando a guerra iminente com a Babilônia parecia inevitável, o povo subitamente tornou-se religioso, mas não piedoso. Eles se reuniam no Templo regularmente, cultuando ao Senhor, apenas com os lábios, mas Jeremias mostrou que seus atos não eram sinceros. (Jeremias 12:2) - Plantaste-os, e eles se arraigaram; crescem, dão também fruto; chegado estás à sua boca, porém longe dos seus rins. Em um dia de festa a nação apareceu no templo para orar para Deus os libertarem de Babilônia. Os falsos profetas transmitiam ao povo falsas esperanças e palavras de encorajamento dizendo que Deus não permitiria que a cidade fosse destruída ( Jr 7.4,14). Mas Deus instruiu a Jeremias a ir ao templo com uma mensagem completamente diferente. Em primeiro lugar oferecer ao povo oportunidade de salvação e mudança de suas vidas pervertidas. (Jeremias 7:5) - Mas, se deveras melhorardes os vossos caminhos e as vossas obras; se deveras praticardes o juízo entre um homem e o seu próximo; Uma famosa passagem deste sermão foi citada por Jesus 700 anos mais tarde, quando ele encontrou uma condição semelhante de apostasia no templo herodiano. Para o povo de Judá teria sido natural dirigir sua devoção em direção ao templo ( igreja de hoje) em vez de Deus, uma vez que o templo não era um lugar onde as pessoas piedosas se reuniam, mas o lugar onde pecadores hipócritas iam para aliviar suas consciência pesadas. Deus repreendeu ao povo dizendo: (Jeremias 7:11) - É pois esta casa, que se chama pelo meu nome, uma caverna de salteadores aos vossos olhos? Eis que eu, eu mesmo, vi isto, diz o SENHOR.
A Esposa Abandona o Lar. (Jr 2. 1-3.5)
(Jeremias 2:13) - Porque o meu povo fez duas maldades: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm águas. A imagem de Judá figurando a esposa de Deus. Vemos Deus lamentando-se dizendo que sua esposa esqueceu-se do amor que na sua juventude tinha por ele. Deus pergunta o que foi que ele fez de errado (Jr 2.5). E a seguir lamenta os dois pecados de sua esposa; que ela o abandonou, a fonte da água viva, e que trocou seu amor pelas cisternas vazias e quebradas dos prazeres do mundo. Quando a esposa foi acusada desses pecados, ela negou dizendo: (Jeremias 2:23) - Como dizes logo: Não estou contaminada nem andei após os baalins?. Entretanto mais tarde, quando sua idolatria tornou-se notória, ela descaradamente retorquiu: (parte b).(Jeremias 2:25) - Mas tu dizes: Não há esperança; porque amo os estranhos, após eles andarei.
A oportunidade de Deus ao seu povo tinha finalmente terminado. O cativeiro e o julgamento divino iam em breve se tornar realidade.(Jeremias 12:7) - Desamparei a minha casa, abandonei a minha herança; entreguei a amada da minha alma na mão de seus inimigos. (Jeremias 12:10) - Muitos pastores destruíram a minha vinha, pisaram o meu campo; tornaram em desolado deserto o meu campo desejado. (Jeremias 12:11) - Em desolação a puseram, e clama a mim na sua desolação; e toda a terra está desolada, porquanto não há ninguém que tome isso a sério.
Um dos versículos mais triste de Jeremias é citado depois de sem sucesso ter chamado o povo ao arrependimento.(Jeremias 8:20) - Passou a sega, findou o verão, e nós não estamos salvos.
. A igreja primitiva foi o único modelo deixado para ser seguido e colocado em prática, mas foi abandonado e deixado de lado. A igreja tomou novos rumos, buscando uma nova tendência e sua independência espiritual, e com isso o surgimento de vários credos religiosos, seitas etc. Onde a sabedoria mundana substituiu a fé e a esperança; O amor pelo ódio; O fervor espiritual pelo ceticismo, e como isso a soberba e a ganância, o amor próprio ocuparam lugar de destaque tanto nas igrejas como na sociedade. O pastor busca status social e público e político.
É comum dizer; aquela igreja é do pastor fulano de tal. Jesus foi colocado em segundo plano.
As igrejas atuais pregam que deve haver ainda um grande avivamento espiritual nos últimos dias e antes da grande tribulação, sim e é verdade, mas não será um “ Mar de Rosas” como estão prevendo ou imaginando. O avivamento ocorrerá sim, mas por meios de perseguições, morte, sofrimentos e lutas como nos primeiros dias da igreja, de onde surgirá os verdadeiros adoradores. O sermão profético relata acontecimentos futuros e fatos que vem se desenrolando com o passar dos tempos apontando o mesmo para a grande tribulação. (Lucas 21:12) - Mas antes de todas estas coisas (da grande tribulação) lançarão mão de vós, e vos perseguirão, entregando-vos às sinagogas e às prisões, e conduzindo-vos à presença de reis e presidentes, por amor do meu nome.
Devemos estar preparado para esse evento, pois se estivermos vivos ainda nesse período e se Jesus não tiver voltado, para que possamos resistir firmes na fé. O que vejo e preocupante pois estive em uma reunião de obreiro de uma igreja evangélica pentecostal, e vi e ouvi o pastor presidente daquela denominação dizer o seguinte: “Se a Lei da homofobia for aprovada, e entrar na igreja um casal de homossexuais e pedirem para se casarem, infelizmente terei que acatar pois é a Lei, e nós temos que obedecer a Lei”. Mas o que diz a palavra de Deus. (Jeremias 51:45) - Saí do meio dela, ó povo meu, e livrai cada um a sua alma do ardor da ira do SENHOR.

Nenhum comentário: