quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

SE JESUS É ETERNO POR QUE A BÍBLIA DIZ QUE ELE FOI GERADO?


São passagens que necessitam de uma atenção especial.
Porque, a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, Hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, E ele me será por Filho? (Hebreus 1:5) -

Não poucos estudiosos das Escrituras tropeçam quanto a compreensão de Hebreus 1.5. É que a falta de uma interpretação cuidadosa do citado texto, o mesmo pode sugerir que Cristo foi gerado e que Ele não é eterno. Entretanto, uma análise cuidadosa mostra que este versículo tem um significado diferente. O mesmo é baseado em dois versículos do Antigo Testamento: 2 Samuel 7.14 e Salmos 2.7 e se fundamenta em três fatos:
  1. O termo “meu filho” originalmente era uma forma de Deus designar o rei de Israel.
  2. O titulo “meu filho” com respeito ao rei de Israel, era confirmado no dia da coroação do referido rei ( Sl 2.7)
  3. Atos 13.32,33, interpreta o Salmo 2, é uma profecia que se cumpriu no dia da ressurreição de Cristo.
Em suma, “Meu Filho” ( Filho de Deus), é um título simbólico em alusão a Cristo como Rei, enquanto que o “Hoje” refere-se à ressurreição, ocasião em que Ele recebeu este título oficialmente.

Filho de Deus. (2Sm 7.14)
Este título originou-se duma promessa feita por Deus a Davi em 2Sm 7.14, onde lemos”Eu lhe serei por Pai, e ele me será por Filho.” O texto se refere primeiramente a Salomão, filho de Davi. A ideia é de que quando Salomão foi feito rei, além de ele se tornar o simbolo da autoridade divina sobre Israel. A partir daí o povo haveria de expressar a sua fidelidade a Deus pela sua sujeição ao rei por Ele estabelecido.

O Cântico da Coroação ( Sl 2.7)
Após receber a promessa acerca de Salomão, divinamente inspirado, Davi escreveu um cântico para ser cantado por ocasião da coroação de seu filho. Não seria um cântico destinado a se perder no tempo, pelo contrário, seria um cântico que continha um forte elemento profético, e se serviria para anunciar a coroação de Jesus Cristo, o Rei dos Reis, o “Filho de Davi”. Numa das estrofes do cântico, o rei menciona o juramento que Deus lhe havia feito. Eis o juramento: “Tu és o meu filho, eu hoje te gerei”, ( Sl 2.7). Evidentemente Davi não se referia ao nascimento de Cristo, mas sim, ao recebimento do título de “Filho de Deus”.


Hoje te Gerei ( At 13.32,33)
Após muitos anos de escrito o Salmo 2.7, Paulo dá um interpretação a essa profecia. Veja esta explicação em Atos 13.
(Atos 13:32) - E nós vos anunciamos que a promessa que foi feita aos pais, Deus a cumpriu a nós, seus filhos, ressuscitando a Jesus; (Atos 13:33) - Como também está escrito no salmo segundo: Meu filho és tu, hoje te gerei.
Paulo definiu a ressurreição de Cristo como o “Hoje” constante dos Salmos e Hebreus. Portanto, não se referia à geração ou formação de Cristo, mas se referia à ocasião em que Ele recebeu oficialmente o título de Rei, com domínio sobre todas as coisas. Além de Rei de Israel, Cristo foi constituído “herdeiro de todas as coisas” (Hb 1.2), com um reinado cujo trono duraria para todo o sempre (Hb 1.8). Cristo foi sempre o Filho de Deus, mesmo antes da sua ressurreição. Este foi apenas o dia em que o evento se firmou de foram histórica. Da mesma forma, o título “Cordeiro de Deus”, dado a Cristo antes da fundação do mundo,se refere ao seu sacrifício na cruz. “... do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo” (Hb 13.8).


Aprendeu a obediência”

(Hebreus 5:8) - Ainda que era Filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu. (Hebreus 5:9) -
E, sendo ele consumado, veio a ser a causa da eterna salvação para todos os que lhe obedecem.

Devemos ter o máximo de cuidado na interpretação da passagem supracitada, do contrário a primeira dificuldade a ser encontrada é a de que Cristo teve problemas de obediência, e que por isso não era perfeito. Um estudo cuidadoso destes versículos, há de nos levar a compreender que a opinião do autor da Epístola aos Hebreus, era que Cristo, para ser o nosso Sumo Sacerdote maior, deveria evidenciar as qualidades essenciais da natureza humana, contudo, permanecendo imaculado ( Hb 4.15).

Obediência aprendida ( hb 5.8)

A palavra “Filho” geralmente indica obediência, mas quando aplicada a Jesus sugere algo especial. Apesar de ser Filho, mesmo assim Ele tina de sofrer. Esta foi um consequência de sua encarnação e um qualidade essencial de liderança. Todos os filhos de Deus, o autor irá notar mais tarde ( 12.5-11) precisam sujeitar-se à disciplina. Neste caso é bom lembrar que Jesus foi feito um pouco menor que os anjos, por causa da humilhação da sua carne. Deste modo ele foi feito cem por cento homem. E foi por possuir uma natureza humana completa que:
  1. Ele possuía corpo físico, mt 26.12
  2. Ele possuía alma racional, mt 26.38
  3. Ele possuía espírito humano, lc 23.46
  4. Ele era sujeito à fadiga corporal, Jo 4.6
  5. Ele era sujeito à necessidade de sono, mt 8.24
  6. Ele era sujeito à fome, mt 21.18
  7. Ele era sujeito a sede, Jo 19.28
  8. Ele era sujeito ao sofrimento e á dor física, lc22.44.
  9. Ele, em sua vida corporal, tinha a capacidade de morrer 1 Co 15.3
  10. Ele tinha capacidade para crescer em conhecimento mediante a observação, mc 11.13
  11. Ele tinha capacidade par se limitar em seu conhecimento mc 13.32
  12. Ele dependia da oração par ter poder, mc 1.35
  13. Ele dependia da unção do Espirito Santo par manifestação de poder, At 10.38
O autor da Epístola aos Hebreus salienta nos termos mais fortes que pelo seu sofrimento, Jesus aprendeu a obediência. Quando é dito a uma criança que faça algo que ela não quer fazer – algo qu pode ser até penoso para ela – e ela não quer fazer então a lição da obediência. Jesus não fez a sua vontade mas a vontade do Pai ( 10. 5-10); Ele obedeceu até o ponto de morrer, “e morte de cruz” (fp 2.8). Não é como se Ele não tivesse conhecido, através da mais amarga de todas as provações, que aprendesse a nosso Sumo Sacerdote escolhido de Deus.

Tendo sido aperfeiçoado ( 5.9)

Para alguns a palavra “aperfeiçoado, em hebreus 5.9 parece sugeri que Cristo tenha passado por um processo de aperfeiçoamento até se tornar plenamente perfeito. Entretanto, isto não é o que o texto ensina. O texto ensina que Cristo está habilitado a ser o “Autor da Salvação” e nosso Sumo Sacerdote junto ao trono do Pai. Para isso Ele solidarizou-se com as nossas necessidades, experimentando fome, pobreza, dor, tristeza, rejeição; tudo isso sem pecado algum ( 4.15)



Um comentário:

Principe Encantado disse...

Todos somos criaturas de Deus e ele em sua uniciência, enviou seu filho através do ventre de uma mulher, para que fosse cumprida as profecias que constam no antigo testamento, a depois de seu nascimento se tornou eterno por que assim o criador o quis. Assim como fomos criados para sermos eternos, não fosse o pecado inicial cometido.
Abraços forte